Cejusc de Viçosa já atendeu a mais de 10 mil cidadãos

Cejusc de Viçosa já atendeu a mais de 10 mil cidadãos

Dados se referem ao setor extraprocessual e de cidadania; já são mais de 1.500 acordos homologados desde a instalação do centro

Publicado em 18 de maio de 2017

Para a juíza Giovanna Lourenço, coordenadora da unidade de Viçosa, o Cejusc não funciona se o Judiciário não souber interagir com a comunidade (Foto: Marcelo Albert/ASCOM TJMG)

Com ASCOM do TJMG

Uma concepção mais ampla de acesso à justiça implica o rompimento do paradigma da “cultura da sentença”, que enaltece o conflito e a solução a ser dada por um terceiro – o Estado-juiz –, para a “cultura da pacificação”, que prima pelo empoderamento dos envolvidos para a construção de uma solução justa para aquele conflito. A reflexão é da juíza Giovanna Travenzolli Abreu Lourenço, coordenadora do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc) de Viçosa. Desde a instalação do centro na comarca, 10.685 pessoas já foram atendidas nos setores extraprocessual e de cidadania da unidade.

A reflexão da magistrada sobre a necessidade de uma mudança de paradigma na solução de conflitos foi proferida durante a instalação da unidade, em agosto de 2013 – a primeira a surgir na região da Zona da Mata mineira. Os números alcançados em Viçosa, até o momento – 209 mediações disponibilizadas, 2.557 conciliações realizadas e 1.566 acordos homologados – sinalizam para a mudança de cultura indicada pela juíza em seu discurso, e são resultado de um amplo trabalho de articulação do Cejusc local com a comunidade.

Univiçosa é parceira do TJMG

“Trabalhamos bastante com o voluntariado. Desde o começo, há um convênio com a Univiçosa: os alunos manifestam muita curiosidade e interesse pelo tema e são incentivados a aderir à cultura da paz. As oficinas de parentalidade que realizamos, por exemplo, acontecem nas instalações da instituição, que as divulga também”, conta. As oficinas buscam auxiliar pais e filhos a enfrentar as consequências do divórcio e a reduzir conflitos nas relações familiares, a partir dos processos de separação. Até o momento, foram realizados seis desses encontros, que contaram com a participação de 119 pais.

Parcerias como essas, avalia a juíza, são imprescindíveis. “O Cejusc não funciona se o Judiciário não souber interagir com a comunidade. A palavra-chave é envolvimento”, diz. Uma das frentes da juíza está no esforço permanente de sensibilização dos advogados, do Ministério Público e da Defensoria Pública para a mediação e a conciliação. “Sem a formação de uma rede de apoio ao Judiciário, fica difícil atingir as pessoas. Mas, com esses parceiros, podemos mostrar à população uma porta que se abre e que não é a via judicial e o processo”, afirma.

Disseminando as formas autocompositivas

Para disseminar a cultura da conciliação na comunidade, e aproximar a Justiça dos cidadãos, a magistrada tem também divulgado o Cejusc e os serviços do Judiciário nas rádios locais. Ainda nesse esforço de propagar a cultura das formas autocompositivas, a coordenadora do Cejusc de Viçosa esteve com os 25 novos juízes, que assumirão em breve suas comarcas após a conclusão do curso de formação inicial, nesta semana. Ela também participou do I Encontro Estadual de Juízes de Direito Coordenadores de Centros Judiciários de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc), em fevereiro deste ano, relatando algumas de suas experiências e estratégias.

No Cejusc de Viçosa, o setor de cidadania é o primeiro com que o cidadão tem contato ao chegar. Ali, as demandas são recebidas e as partes recebem informações e orientações. “Apresentamos a possibilidade de conciliação e encaminhamos os interessados para setores e órgãos que podem auxiliá-los, se a questão não compete ao Judiciário”, explica a magistrada, acrescentando: “O juiz não faz nada sozinho, a parceria é que realiza os bons resultados”.

Além de concentrar as audiências de mediação e conciliação, pré-processuais e processuais, e também os serviços de atendimento e orientação ao cidadão, as ações desenvolvidas pelo Cejusc de Viçosa incluem um projeto de justiça restaurativa nos Juizados Especiais e um trabalho em escolas, por meio de uma metodologia que foca aspectos preventivo e educativo, buscando ensinar os estudantes a resolver os problemas pelo diálogo e estimulando o empoderamento de crianças e adolescentes.

“Tenho a sorte de contar com uma equipe excelente, engajada e consciente, e também com a colaboração da colega magistrada Adriana Mendes. Atualmente a juíza foi promovida e não está na comarca, mas ela trabalhou ativamente pelo Cejusc enquanto foi diretora do foro. É essencial que as lideranças acompanhem os servidores, deem retorno às demandas e busquem soluções conjuntas”, conclui.


Minha Univiçosa

Aqui você encontra os links de acesso ao Sistema Acadêmico, Moodle, Email, CPA, etc. Comece clicando em um dos botões abaixo.

Minha Univiçosa

Aqui você encontra os links de acesso ao Sistema Acadêmico, Moodle, Email, CPA, etc. Comece clicando em um dos botões abaixo.

Sistema Acadêmico
BBT - Alunos
SisEstágio
Alunos
Sistema Acadêmico
Docentes
Sistema Acadêmico
SisEstágio
Colaboradores